Este website usa cookies para assegurar que tens a melhor experiência   Mais info

Procurar Imóvel

Regime de arrendamento forçado e agravamento de IMI para prédios devolutos

orçamento de estado para 2019,aumento do IMI,lei para prédios devolutos,mercado habitacional em Portugal,zonas de pressão urbanística,regime do arrendamento forçado,lei do arrendamento em Portugal

Regime de arrendamento forçado e agravamento de IMI para prédios devolutos

A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2019 contempla autorizações legislativas que visam a “promoção da reabilitação e da utilização de imóveis degradados ou devolutos”1. Por outras palavras, o proposto diploma tem como objetivo aumentar a oferta do mercado habitacional lançando o seguinte:

Designação da palavra “devoluto”

O Governo pediu autorização para que a definição de “devoluto” fosse alargada para designar também “políticas de habitação, urbanismo e reabilitação urbana” 1 . De seguida, propõe a identificação desses imóveis através da definição de um “valor mínimo de consumo” 1 de eletricidade e de água que permita constatar que o edifício está ou não a ser usado. Outra forma será atestar a ocupação do imóvel através da realização de uma vistoria.

 

Definição de “zonas de pressão urbanística” e agravamento do IMI

Esta classificação irá depender dos preços de arrendamento do mercado, do rendimento das famílias e das carências habitacionais. Será da competência das Assembleias Municipais classificarem “zonas de pressão urbanística” e decidirem-se pelo agravamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). Assim, propõe-se que “todos os prédios urbanos ou frações autónomas que se encontrem devolutos há mais de dois anos, localizados em zonas de pressão urbanística” 1 vejam aumentado o seu IMI até 6 vezes mais e agravado, em cada ano seguinte, em mais 10%. As receitas deste agravamento fiscal têm como fim financiar políticas de habitação.

 

Regime de arrendamento forçado a prédios devolutos

Este regime já existe, mas pretende-se que seja reforçado junto dos proprietários que não assegurem a manutenção dos seus imóveis. O Governo pretende tomar posse administrativa de imóveis que não apresentem condições de segurança afim de o reabilitar - reabilitação coerciva. Para que o Governo seja ressarcido das despesas das obras e do possível realojamento dos inquilinos está prevista na lei duas opções ao proprietário: o pagamento total das despesas ou o “arrendamento forçado” do imóvel, sendo que a receita será para pagar a dívida das obras: “existe esta possibilidade do município avançar para a venda forçada ou arrendamento” 1, afirma Jorge Moreira da Silva, Ministro do Ambiente e Ordenamento do Território. Para além disso, se o proprietário não manifestar por escrito o interesse em retomar a posse do imóvel, terminado o período de arrendamento forçado, a câmara municipal colocará o mesmo no mercado de arrendamento.

Agilizar processos administrativos associados ao urbanismo

O Governo pretende simplificar os processos administrativos para que alguns licenciamentos para construção deixem de ser exigidos, sendo apenas necessário comunicação prévia. Isto aplica-se “nos casos em que exista uma informação já suficientemente detalhada”, explica Moreira da Silva.

 

Se reabilitar e reduzir os edifícios devolutos nas cidades é um dos principais objetivos do Orçamento de Estado de 2019, muitos são o que consideram estas propostas injustas para os proprietários: “a degradação e abandono do património imobiliário nos centros urbanos (…) devem-se a mais de um século de congelamento de rendas (…) e agora têm de pagar imposto adicionais sobre o pouco que sobrou”, menciona Luís Menezes Leitão, da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP).

 

1 Transcrição de documento entregue pelo Governo no Parlamento a 15 de outubro.