Este website usa cookies para assegurar que tens a melhor experiência   Mais info

Procurar Imóvel

Existe ou não bolha imobiliária em Portugal?

bolha imobiliária em Portugal,comissão europeia,banco de Portugal,relatório de estabilidade financeira,crédito habitação,oferta imobiliária,especulação de preços no imobiliário

Existe ou não bolha imobiliária em Portugal?

Nos últimos meses o imobiliário nacional tem sido analisado pela Comissão Europeia (CE) e pelo Banco de Portugal que alertam para a sobrevalorização dos preços dos imóveis.

O Índice de Preços Residenciais (IPR) atingiu um recorde de valorização apenas semelhante a 1992, de 16,4% em Maio1. No entanto, a subida dos preços não é o único fator para determinar a existência de uma bolha imobiliária no mercado nacional. Um indicador a ter em conta, apontado no relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal, é a nova abertura bancária ao crédito imobiliário. O ciclo de recurso a crédito hipotecário aumentou 43% (entre 2016 e 2017), prevendo que as famílias possam não estar preparadas para uma subida das taxas de juro de referência do mercado. A contrapor esta preocupação as instituições bancárias avaliam o ajustamento de preços com normalidade depois de uma época sem investimento, e reiteram que a aprovação de créditos está mais restritiva e cautelosa: “…há uns anos a maior parte das transações era feita recorrendo a crédito quase a 100%. Quando a crise estourou, as pessoas viram-se a braços com grandes prestações e com os seus imóveis a valerem muito menos. Hoje a situação é bastante diferente”, afirma Luís Ledo, Diretor Geral da Casas do Barlavento.

O próprio mercado está mais cauteloso e diferente do de 2009, com um otimismo no consumo, diminuição do desemprego, taxas de juro baixas, acréscimo do turismo e de estrangeiros a residir e a investir em Portugal.

O investimento estrangeiro, que já atraiu 15 mil residentes não habituais2, trouxe alterações ao mercado, fomentando a subida dos preços dos imóveis. Porém permitiram uma estabilização do mercado com mais de 80% das transações a serem feitas sem recursos a crédito: “o grosso das compras que estão a ser feitas agora é com recurso a capitais próprios. Posso dizer que, em 2017, só duas das transações que fizemos foram com recurso a crédito bancário”, menciona Luís Ledo.

A escassez da oferta imobiliária perante o aumento da procura é outro fator de agravamento dos preços das habitações. A Comissão Europeia acredita que com o acréscimo de edifícios novos e consequente aumento da oferta de imóveis, haja um equilíbrio no mercado: “A recuperação da construção deverá adicionar oferta”. 

O Banco de Portugal diz estar a vigiar de perto a situação para uma salvaguarda da estabilidade financeira, não falando explicitamente de uma bolha no imobiliário nacional. Em contraponto, a CE está confiante de que a subida dos preços das casas vai, “gradualmente, abrandar a médio prazo”, tal como Luís Ledo que sente “uma tendência para a estabilização”, permitindo um equilíbrio do mercado e dos preços praticados.

 

1 IPR atingiu em maio uma variação homóloga de 16,4% a nível nacional, segundo o Confidencial Imobiliário (Set 2018).

 

2 Oitava avaliação pós-programa, da Comissão Europeia (CE).